terça-feira, 6 de junho de 2017

A coruja

O piar da coruja arrepiou-me.
Acordei a meio da noite estremunhada.
O que terá dado àquela ave
que por norma fica à noite acordada?

Será que me quis acordar
dizendo que eu não estou sozinha?
Ou será que ela é que está com medo?
Se for isso, coitadinha.

O que posso fazer por ela?
Não posso abrir a minha janela.
O que faria eu com uma coruja no quarto?
Imagino a coruja fechada. Seria cá um aparato!

Também não lhe posso dar de comer.
Não sou tratadora de corujas.
E se um rato aparecer...
Não pego nele, nem com luvas.

Então, o que faço agora?
Se ela continua a piar lá fora?
Não posso ir com ela ao cinema...
Já sei! Posso escrever um poema.

E ela, será que gosta?
Ou será melhor escrever sobre ela em prosa?
Talvez mais tarde. Agora sai um poema quentinho
para que a nossa coruja se conforte no seu ninho.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Sem comentários: