quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Febre

Sinto uma febre que me impele a escrever.
Sinto que algo preciso falar.
Algo cá dentro que se faz notar.
Sei que algo merece viver.

Começo a criar num acto desesperado.
As letras se desmancham a cada enquadro...
Mas eu não desisto e vou no encalço
mesmo com um aparente cansaço.

Nada me vai impedir de escrever.
Nada me indica que eu vou perder.
Por esse motivo quero continuar.
A minha história continuarei a escrever.

Esta vontade louca de escrever,
sinto-a cá dentro. Pareço ferver.
Quero falar o que trago na alma
num anseio de ficar mais calma.

Tudo na vida tem um por quê
Se eu escrevo, há uma razão.
Continuarei a escrever qual vulcão
Nem que seja só para quem lê.

É de louvar, quem não desiste dos sonhos
É de elogiar quem tropeça, mas se levanta.
Num momento de ruptura há sempre esperança.
Vamos acreditar que há tempos melhores.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Os sonhos brilham

Quando sabemos quem somos
corremos na direcção dos sonhos.
Nada escapa ao nossos olhar
e começamos a brilhar.

Qual estrela invernal
que aparece no Natal,
nas noites frias do inverno.
Ou num poema escrito num caderno.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Festa de Natal


Na festa de Natal da LR
vesti-me de forma elegante.
Queria estar no meu melhor.
Por isso vesti-me a rigor.

A Carla foi de vermelho.
Como a época festiva pede.
Já eu, escolhi o verde
para combinar com o pinheiro.

Nos pés, sapatos pretos
para dar mais cor ao vestido.
Ah, e um sorriso no rosto!
Isso, é sempre permitido.

Na festa diverti-me
como já é habitual.
E de amor revesti-me
qual época de Natal.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

domingo, 6 de dezembro de 2015

Entrevista na Rádio RDS


Queridos leitores e amigos da Rainha, este Sábado tive a oportunidade de entrar nos estúdios da Rádio RDS e posso dizer que fiquei deveras agradecida pelo convite à conversa pelo meu amigo Carlos Pinto Costa, locutor da mesma.

A nossa conversa assentou em pontos muito importantes no que toca à importância da Cultura e da consciencialização da leitura pelas camadas mais novas da nossa sociedade.

Ao longo da nossa conversa, também falei um pouco acerca de mim e das minhas origens. Expliquei o porquê de ter começado a escrever, o que sinto enquanto escrevo, o conteúdo dos meus poemas e os projectos que tenho para o futuro.

Se não teve oportunidade de ouvir a entrevista, convido-o a ficar desse lado e acompanhar todo o meu trabalho nesta área tão vasta que reúne Literatura, Arte, Cultura, fotografia, Música, Eventos, e muito mais.