Traduza para o seu idioma

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Mensagem de fim-de-ano

A Rainha das Insónias e a Jovita Capitão (autora do blogue) desejam a todos umas boas Entradas. Que o ano de 2014 seja bem melhor e que traga muitas alegrias.

sábado, 28 de dezembro de 2013

Pensamentos obtusos

Sinto-me obtusa,
tal como obtusos são os meus pensamentos.
Absorta, avanço sem pensar.
Caminho em pequenos passos,
para não cair nos laços
que me podem matar.
Mas o mais incrível
é que afinal já não sou nada disso.
Sou feliz.
Estou no paraíso das flores.
Será que enlouqueci de vez?
Lá vamos nós outra vez
por este miserável mundo,
onde o que é profundo
se perde no mar.
Ou será noutro lugar?

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Agradecimento

Boa tarde a todos, hoje quero agradecer o especial carinho pelo meu texto, tanto pela Editora Alphabetum como pelo autor Fernando Alagoa, que publicitaram a minha reacção ao livro "Os Senhores do Universo e o Milagre de Fátima". 

Nos links abaixo podem constatar o que digo.


sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Às escuras por uma noite.

Às escuras. Foi assim que passei o meu serão ontem à noite. Não via um palmo à frente do nariz. Andei às voltas à procura de uma vela, por mais pequena que fosse. Do telemóvel nem sombras, não me lembrava onde o tinha posto. Quanto ao computador, estava sem bateria. Por fim, depois de derrubar algumas coisas pelo caminho, encontrei um vela pequenina e uma caixa de fósforos. Quis acende-la mas só à terceira vez é que irrompeu uma pequena chama que serviu para me orientar. Sentei-me à espera que voltasse a luz. Pensei que era algo temporário, mas não. Foi uma falha de electricidade que demorou a recompor-se. Após um momento de espanto, peguei na pequena vela e procurei uma maior. Não tardaria que aquela apagasse. Encontrei por fim o que achei ser a vela ideal e pude ver melhor o aposento. «E agora?»- pensei. «E se eu visse um filme para descontrair? E se eu jogasse um jogo no computador? E se eu fosse até ao meu blogue escrever um bocadinho? E se fosse até ao facebook? E se eu...»Mil e uma coisa pensei mas nada disso pude fazer porque sem electricidade não seria possível. Até porque o computador nem tivera tempo de carregar o suficiente para que pudesse ser utilizado. Desiludida, estendi a mão para ligar o meu rádio. «Pelo menos se ouvisse música o tempo passava mais depressa.» Pensei, para me arrepender no minuto seguinte. Também o rádio estava ligado à corrente. «E se eu lesse um livro?» Reflecti por fim.« Mesmo com uma pequena vela sou capaz de ler qualquer coisa. É isso mesmo que vou fazer.» Primeiro certifiquei-me que a porta e a janela se encontravam bem vedadas. Sem a acção do meu aquecedor, o ambiente ficara mais frio. Agasalhei-me bem e escolhi o melhor livro possível para ler naquele ambiente fantasmagórico a meia-luz. Escolhi pois, o livro: "Os Senhores do Universo e o Milagre de Fátima", de Fernando Alagoa. Em boa hora o fiz porque foi como se o tempo voasse dentro de uma atmosfera indescritível. A história prendeu-me do princípio ao fim. Senti que caminhava lado a lado com as personagens. Findo o livro, apenas uma chamasinha minúscula fazia as honras da casa. Soprei-a para a apagar e embrulhei-me qual chouriço gigante dentro da minha cama. Adormeci. Quando acordei estava na Serra de Mira de Aire e Candeeiros. As grutas estavam agora mais perto. O Santuário de Fátima aparecia e desaparecia. E eu estava petrificada sem me conseguir mover. Não percebia porque estava eu alagada em suores frios. Tentei acender a luz, mas esta não cedeu. Irrompeu então o som de um cavalo ao longe. Lá vinha ele a galope. Tive a certeza que tinha de fugir. No entanto, estava paralisada. D. Afonso Henriques vinha lá a galope num cavalo qualquer. Devia vir à procura dos pergaminhos que lhe tinham roubado. Abordou-me com aspereza ao que respondi por entre lágrimas, que não tinha sido eu. Ele não acreditou em mim. Abanou-me com força para que eu falasse a verdade. Mas a verdade era essa. Eu só soube por causa do livro. «É isso!» - Exclamei entusiasmada. - «O livro de Fernando Alagoa, é a prova de que preciso. Ele está aqui.» Avancei às apalpadelas procurando o exemplar. Não o encontrei. De repente percebi tudo. Os Senhores do Universo tinham-no levado. «E agora?- Pensei. Nesse momento a luz voltou e eu acordei com um ar aparvalhado. Parecia uma menina pequena com pesadelos. Afinal estava tudo bem. Não estava ali nem o cavalo, nem o Rei de Portugal, nem sequer os Senhores do Universo. Não passara tudo de um sonho devido à  influência das minhas leituras. A culpa foi do escuro. Ler a meia-luz pode surtir este efeito. Misturas entre a realidade e a ficção. Mas valeu a pena. Disso não tenho quaisquer dúvidas.


quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Contagem decrescente

Agora que o Natal já passou, está na hora de começar a fazer exercício físico e uma dieta para que tudo vá ao lugar. E a contagem decrescente para o final do Ano já começou. A praticamente 5 dias e algumas horas entramos em 2014. Quem vai entrar com o pé direito? Eu vou, de certeza. Pelo menos assim o espero. ;) Queridos amigos e leitores da Rainha, desejo a todos, excelentes entradas para este novo ano!

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Um Excelente Presente (de mim para mim)



Queridos leitores e amigos da Rainha, hoje armei-me em Mãe Natal e fui em busca das prendas perdidas... Escolhi o Centro Comercial Strada Shopping (antigo Odivelas Parque) e fiz questão de entrar em quase todas as lojas. A azáfama das compras fez-se notar no Centro inteiro. As pessoas pareciam formigas de um lado para o outro carregadas com sacos, saquinhos e sacões. Não havia espaço para respirar, no entanto as caras alegres e sorridentes diziam tudo. O Natal, este tempo dedicado à família, desperta em nós sentimentos de bondade, de amor, de carinho uns pelos outros. Infelizmente o Natal não é praticado o ano inteiro. O que faz com que muitas pessoas o utilizem como fachada e consumismo. Ainda bem que essa percentagem é bem pequena em comparação com os valores da amizade e do amor.

Ainda relativamente às minhas compras, acabei por adquirir um livro interessantíssimo dedicado àquelas pessoas que gostam de escrever, assim como eu. O livro: " Escrita em Dia", da autora Margarida Fonseca Santos, é um livro de exercícios práticos que ajudam a melhorar a escrita daqueles que a mantêm como importante nas suas vidas. Este é sem dúvida o melhor presente de sempre de mim para mim.

domingo, 22 de dezembro de 2013

O efeito do Tejo em mim.

Junto ao Tejo,
na outra margem,
vejo Lisboa.
Junto ao cais
um barco navega
calmamente, no seu leito,
e eu que escrevo do lado de cá do rio
sinto deveras o efeito
que o mesmo cria em mim.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Citação numa madrugada fria

O muito que faço é sempre pouco. E o pouco que faço pode ser tudo.

Jovita Capitão.

Insónia de Inverno

Nesta madrugada fria e silenciosa, dedico o meu tempo a escrever. Meu corpo cansado reclama mas não lhe dou ouvidos. Simplesmente escrevo embalada pelo silêncio, pelas brumas do inverno. Quem sabe se assim me encontro? É isso mesmo que mais desejo. Encontrar-me! Encontrar uma forma de me conhecer melhor. Encontrar um mundo de possibilidades à minha frente... Nos últimos anos sei que fiz tudo o que podia para ser feliz. Agora quero mais. Quero sentir-me realizada em todos os níveis, e vou conseguir. Sim. Eu sei que vou conseguir. Basta-me a certeza que tenho à minha volta as pessoas certas. Basta-me saber a importância que tenho para essas pessoas. Sim. Eu sou feliz assim. Feliz com as coisas mais simples da vida. Um abraço, um sorriso, uma simples flor na Primavera, um simples chilreio de um passarinho, a vontade de estar com quem amo, a alegria de ver crianças a brincar. São as coisas mais simples que me marcam. Não sei porque sou assim, nem faço intenções de perceber. Apenas sei que o muito que faço é sempre pouco. E o pouco que faço pode ser tudo. Agradeço a todos os meus Amigos, agradeço à minha Família, agradeço aos meus Leitores, agradeço a toda a gente o carinho que me têm demonstrado nestes últimos anos. O fim deste ano aproxima-se a passos largos. Mudanças se verificarão. Sei que tenho muito mais para dar. Tenho muita coisa a fazer por mim e pelos outros. Apesar de estar feliz, sinto-me ansiosa. Talvez por ter de me despedir de 2013 que tantas coisas boas me deu. A despedida custa sempre. Mas não faz mal, tenho a certeza que 2014 será bem melhor. Basta deixar a escrita fluir e as boas surpresas aparecerão. E esta insónia que não me deixa dormir? Esta, vou leva-la comigo para sempre. Tenho uma missão a cumprir, ou não me chamaria eu: "Rainha das Insónias"!

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

É hoje!

Sugestões de Natal - Livros

Já escolheu o presente ideal para cada membro da família? Não? Então está na hora de procurar sugestões que podem fazer a diferença. Que tal oferecer livros? É uma escolha acertada, não acha? Deixo aqui algumas sugestões. 




quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Introspecção da vida

O ano está a terminar. O que me reserva o futuro? Hoje é dia de introspecção. Dia de meditação sobre tudo o que aconteceu durante este tempo.

Olho para dentro.
Que vejo eu?

Alguém com pensamentos
para além da fronteira.
Alguém que pretende
uma mudança à maneira.

Alguém que tem sonhos
para além do pensamento.
Alguém que acredita
num novo momento.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

A Família - Nosso Eterno Berço

A família é o nosso berço
desde o terno começo.
Nada muda o sentimento.
Nada muda, só o tempo.

E a saudade nos desfaz.
A lembrança nos apraz.
E a alegria de um bom momento
que não volta mais atrás
reforça o sentimento
que voa sem alento,
que nos mata por dentro.

Só o eterno berço não morre.
São sangue do meu sangue.
São luz na escuridão.
São o manto de algodão
que me aquece o coração
tanto em noites frias
como nas quentes noites de Verão.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

"Para os braços de minha Mãe" - Pedro Abrunhosa e Camané (Música nova)


Boa noite, queridos leitores e amigos da Rainha. Este é o hino de quem teve de emigrar para outros Países por causa da crise. Vale a pena ouvir esta triste balada que nos diz tanto...

domingo, 15 de dezembro de 2013

Mafalda Veiga - Música Nova.


A Casinha do Chá

Queridos leitores e amigos da Rainha, venho por este meio dar a conhecer um novo conceito que conjuga chás diversos, doces e bolos caseiros, artesanato, requinte e muito mais por descobrir.

Recomendo uma visita à Casinha do Chá.

Horário de funcionamento: 11.00h às 20.00h

Rua Dr. Francisco Inácio, nº 28 C
Costa de Caparica
Contacto: 212 903 144
https://www.facebook.com/casinhadocha.caparica

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Há almas que se cruzam

Há almas que se cruzam no cosmos.
Reconhecem os seus semelhantes
mesmo à distância das idades.

Há almas que se cruzam no espaço
reconhecem necessidades
recolhem informações
compreendem motivações.

As necessidades humanas
dependem dos seus semelhantes.
Isso constato em simples instantes.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.


domingo, 8 de dezembro de 2013

O que me diz o coração

Tudo acontece por um motivo.
Tudo tem uma explicação.
Nada acontece por acaso.
É o que me diz o coração.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

O grande Mandela

Não o conheci
pois não tive tempo
quando uma pessoa parte
não nos avisa que é o momento.

O grande Mandela
deixa a saudade,
e a sua história
foi tudo menos vaidade.

Homem simples e guerreiro
partiu sem de despedir
mas o mundo inteiro
ergue-se para o aplaudir.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Cavalgando na geada do tempo

Num turbilhão de pensamentos
vou em frente sem nada dizer
remoendo os sentimentos
que nem sei, se são de prazer.

Ando agitada qual onda do mar
cavalgando na geada do tempo
quem me dera apenas amar
e o resto seria puro momento.
O momento certo de acreditar.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.


Decidam-se!...

Primeiro convocam toda a gente para fazerem greve à vontade. Depois desconvocam à ultima da hora para ninguém se aperceber. Acham que isto faz algum sentido? Nenhum... desculpem este pequeno desabafo, mas o que tem de ser tem muita força. Mais força que a própria greve.

Respirando fundo em 3...2...1...0.

Fico acordada, até a lua partir.

Eu sei que a noite é para dormir,
para cedo me poder erguer.
No entanto, para me proteger
fico acordada até a lua partir.

E devagar,
tento adormecer
quando o sol sorrir.
Quando, por fim, amanhecer.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Tenaz emoção.

Amarelo é o tédio que costumo sentir
quando um vazio interno se faz ouvir
no canto mais ínfimo do coração
aquilo a que chamo: Tenaz emoção.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Era uma vez...uma greve

Era uma vez... uma greve.
que deixava toda a gente apeada.
O que fazer, quando não há mais nada
que circule pela estrada?

Fica a pergunta no ar
para quem quiser responder. 
Quanto a mim 
não vejo mais o que fazer.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Uma luta interior

Já lhe aconteceu ficar tão baralhado, ao ponto que se isolar para encontrar as respostas? Já lhe aconteceu sentir-se único no mundo perante as vontades e crenças da maioria? Já alguma vez sentiu necessidade de parar a mente e começar de novo sem que ninguém lhe imponha alguma verdade? Já sentiu alguma vez a necessidade de mandar calar o mundo e ouvir apenas o bater do seu coração? Pois bem, eu hoje estou assim. Com vontade de encontrar as respostas por mim mesma, sem ter de sentir a influência de ninguém. Pois, na minha opinião pessoal, cada caminho é único. Cada pessoa é livre para ir de encontro às suas necessidades e livre de escolher onde quer estar e em que acreditar. Mas os burburinhos à nossa volta impossibilitam-nos de pensar positivamente. Há coisas que enterramos para sempre e pensamos não mais as recordar. Não queria ter de pensar nisto outra vez, no entanto as circunstâncias obrigam-me a fazer exactamente o contrário daquilo que quero. Mas já que tem de ser, tenho de chamar a mim toda a coragem que necessito para enfrentar esta luta interior. 

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

A loja do Coração

Queridos leitores e amigos da Rainha, num destes dias fui ao Centro Comercial Colombo e passei por uma loja que me chamou a atenção. E o que era? Era a loja do Coração. 

A loja do coração está inserida na Feira da Saúde e é um espaço que serve para fazer rastreios gratuitos ao Colesterol, Hipertensão, Glicemia e à idade das Artérias.

Vale a pena conhecer e e participar nos Workshops que vão ser desenvolvidos até ao final do mês de Dezembro. Nas imagens abaixo pode escolher o que mais lhe interessa.

Eu fiz todos os exames e parece que o meu coração respira Saúde. E o seu? Descubra na loja do coração!




sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Se eu pudesse...enfiava-me num envelope

Meu coração bate forte
como um cavalo a galope.
Se eu pudesse agora,
enfiava-me num envelope
e seguia para o destinatário
entregue à minha própria sorte.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Suspiro...!

Numa silenciosa noite
ouvi um suspiro profundo
vindo do meu coração
num pulsar noturno.

Suspirei insistentemente
como se necessitasse
de algo mais importante
algo que não estivesse distante.

Tateando no escuro
procurei a esperança.
Procurei uma resposta
que me acalmasse por dentro.

Ai suspiro, profundo...!
Quem me dera que suspirando
pudesse compreender o mundo!

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Espanto, alegria e reconhecimento.

Quando iniciei a minha aventura no mundo dos blogues não sabia que alcance a minha escrita iria ter. Ficava fascinada com a frequência com que certos blogues eram visitados e a interactividade que havia entre os donos dos blogues e o seu público. Quando criei a Rainha das Insónias tinha esperança que isso acontecesse também, no entanto, estava longe de imaginar que em menos de três anos chegaria às 50.946 visitas, aos 82 seguidores no blogue, aos 167 seguidores no twitter e aos 361 fãs no facebook. Já para não falar que o meu blogue é visto por pessoas de todo o mundo.

Além disso, quando escrevo um novo post nem imagino a dimensão de visualizações geradas. Há algum tempo atrás escrevi aqui sobre um livro que tive o prazer de comprar numa feira, cujo título é: "A conquista da Felicidade - O Voo da Borboleta Lilás". Hoje, tive a surpresa de receber os sinceros agradecimentos de Luciana Couto, uma das Autoras, pela partilha deste precioso livro. Só tenho de agradecer o facto de ter tantas pessoas interessadas naquilo que escrevo e que partilho neste espaço, já há muito conhecido por vós.

Muito obrigada a todos! :)

terça-feira, 26 de novembro de 2013

A lagarta muda outra vez!

Lá vai a lagarta outra vez
rastejando como pode
animalejo só e distante
que toda a gente sacode.

Lá vai a triste lagarta
que de tudo tem medo.
Vou contar-te um segredo:
Ela nem sempre foi assim.

Ela tinha tudo para ser feliz
tinha tudo para ser alguém.
Mas sem saber o que queria
deixou de haver magia.

Desencantou-se e fechou-se
no seu pequeno casulo
entoando tristes melodias
enquanto tu não aparecias.

Apareceste finalmente
e a lagarta acordou
deixou o torpor ir embora
e toda a lágrima que chorara.

E a pequena lagarta
voou em direcção à saída.
Furou as paredes do casulo
aquelas que a prenderam um dia.

Libertou-se da tristeza
e acendeu-se uma luz
de perfeita beleza
que a conduziu por fim
ao santuário da alegria,
deixando para trás a tristeza
que mal a conduzia.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Hibernei

Hibernei no outro dia,
fugindo do frio que sentia.
Ao sair da toca arrependi-me
pois, ainda estava frio e esqueci-me!

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

sábado, 23 de novembro de 2013

Mais uma insónia

Vi o nascer do dia. Não consegui dormir toda a noite. A história repete-se novamente. Insónias! Que mais poderia ser? Fico acordada à janela a ver a lua. E fico parada, pensativa, fascinada com a beleza da noite. Sinto-me cansada mas não arredo pé. Já tentei dormir, já tentei ler, já entulhei o estômago, já tomei chá... Nada. Não sou capaz de dormir. As ansiedades da vida e as preocupações não largam o meu cérebro assim que me deito. Assim, levanto-me para contemplar as estrelas. Lentamente vejo o nascer do dia. Os únicos ruídos provêm da chuva e do vento. Imagino como seria se a vida fosse apenas isto. Silêncio. Seria triste. Tão triste como o dia em questão. O silêncio é necessário, mas os sons são imprescindíveis para a nossa vivência sadia. Eu gosto do silêncio quando preciso de organizar as ideias, ou resolver uma situação mais complicada. Também utilizo o silêncio para escrever o que me vai na alma sem correr o risco de ser incomodada. Por vezes tento escrever nos transportes públicos. Impossível concentrar-me totalmente. É uma criança que chora, alguém que pede licença ou então os olhares curiosos das pessoas à minha volta. Impossível escrever com mil olhos postos em mim. Desisto e deixo-me levar, o resto da viagem. De repente, com tantos devaneios, acabo por me aperceber que já amanheceu completamente. Bocejo insistentemente! Começo a sentir o cansaço de uma noite inteira sem dormir. E agora? Agora vou dormir, senão logo não me aguento em pé.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Uma loba gigante



Quando a lua sai à rua
branca, redonda e brilhante
tenho medo de me transformar
numa loba gigante.
e sair para assustar
cada ser adjuvante
que esteja a passar
na rua nesse instante.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Transformar as palavras em sopros de amor

Vou transformar as palavras
em mil sopros de amor.
Vou amar-te nas entranhas
antes que amanheça.

Vou correr atrás de ti
como a lua beija a terra.
Com ternura acreditarei
que a vida não é só guerra.

O objectivo de cada ser
é espalhar a alegria e o amor.
E é isso que eu vou fazer
até o meu coração aquecer.

Vou soprar as palavras
e faze-las chegar a ti.
Vou libertar-me das amarras
que me prendem aqui.

E vou transformar as palavras
em mil sopros de amor
para que me ames também
com todo o esplendor do teu coração.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Chuva em forma de lágrima

Hoje chove
tal como os meus olhos
que de lágrimas estão cheios.
A amargura não cura
nenhum dos meus desejos.
Enlaça minhas pálpebras
deixando uma nuvem
que me turva a visão
e por dentro sinto a tristeza
neste meu grande coração.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Se eu pudesse...

Gostaria de escrever algo cativante
mas hoje, parece que não consigo.
As palavras entopem minha garganta
e não sai, nem sequer som de sino.

Gostaria de gritar o que penso
só que nem sempre é viável.
Ninguém precisa de saber
o quanto estou irritável.

Se eu pudesse...
minha voz ouvir-se-ia bem longe
talvez nos himalaias.

Quem sabe se ouviriam minhas preces...

Se ouviriam ou não, também não sei.
Mas eu ficaria aliviada deste sufoco
que teima em me perseguir .

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

A Insónia da Escritora

«Quero dormir, mas não consigo. Será indício de mais uma insónia?» - Questiono. «- Espero que não!»
A escritora levanta-se da cama e parte em busca de uma solução para a terrível insónia que se aproxima. Pé ante pé, dirige-se à sua estante repleta de livros. O que será que vai escolher? Já leu todos, os quais já repetiu centenas de vezes. Aborrecida, senta-se ao computador. E se escrevesse alguma coisa?
«-Hum, primeiro tenho de comer qualquer coisa...!» - pensa ela enquanto se prepara para ir à cozinha aquecer uma caneca de leite.
Momentos depois, aninha-se junto ao computador, coberta por uma manta quentinha aquecida previamente no seu habitual aquecedor, e começa a escrever pausadamente. As mãos deslizam sem esforço numa catadupa feliz. Seguem-se as palavras certas, os elementos certos para uma receita de palavras que embelezam o espaço em questão. Acredita em si própria e avança como se estivesse num palco. Imagina-se a tocar um formoso piano de teclas finas e concentra-se na melodia enquanto os seus dedos freneticamente a acompanham. Sabe que se continuar a escrever ficará sem sono e só adormecerá bastante tarde. Mas o que importa isso agora, se o prazer de escrever abafa qualquer tipo de constrangimento? E continua numa dança elegantemente feliz. A escrita faz parte dela desde sempre.

Jovita Capitão.

Quero voltar a estar zen.



Quero voltar a estar zen.
Imitar o canto dos pássaros,
sentir o encanto da alma,
criar um refúgio à minha volta.

Quero voltar a estar zen.
Acreditar num mundo melhor,
esquecer tudo o que me irrita
e lutar com todas as minhas forças.

Quero voltar a estar zen.
Abrir os braços à felicidade,
soprar os ventos da maldade
para bem longe de mim.

Quero voltar a estar zen.
Flutuar numa nuvem de sabedoria,
sentir a minha vida fluir
como se amanhã não houvesse dia.

Quero voltar a estar zen.
Transmitir paz ao meu semelhante,
e não me deixar perturbar
por algo estranho e deselegante.

Quero voltar a estar zen.
Chamar todas as forças da natureza,
mergulhar no mar de profundeza
e nas águas límpidas da vida.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Desabafo - A má educação é uma coisa que se pega...

Não gosto de pessoas que acham que estão sempre certas. Nunca erram, nunca falham, têm sempre razão. O que é que custa admitir que se errou? O que custa admitir que não se percebeu um determinado assunto? O que é que custa admitir que talvez a outra pessoa esteja certa? Pessoas assim são extremamente irritantes, arrogantes e nunca aprendem. E pior que isso, causam um desconforto a quem lhes quer bem porque não são capazes de dizer as palavras mágicas tais como: "peço desculpa" e "obrigada". 

Acontece que de vez em quando é necessário despreza-las porque a má educação é uma coisa que se pega... Vocês não acham?

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Portugal está no Mundial!

Eu tenho orgulho
neste meu Portugal
onde nasci e cresci
é um orgulho nacional
aquilo que hoje vi.

Num jogo de emoção
Vimos o combate em questão.
Ronaldo, o Capitão
levou à vitória, a Selecção.

Tal como as Naus
que percorreram o mundo
Portugal vai ao Brasil
mostrar que ainda vive.

A cultura é aquilo que nos une!

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

terça-feira, 19 de novembro de 2013

O Tempo - um inimigo da Criatividade.

Um dos inimigos da criatividade é o tempo. O tempo que condiciona o pensamento...o tempo parado, o tempo apressado, o tempo que já não existe...

Jovita Capitão.

Greve do Metropolitano de Lisboa.

Queridos leitores e amigos da Rainha, hoje acordei com a sensação que alguma coisa não bate certo. Não vos parece que estão a fazer greves a mais ultimamente? Quase todos os dias, o sector dos transportes públicos, quer seja Metro, Carris, e afins, inventa um motivo diferente para poder fazer greve. Afinal de contas por que motivos somos obrigados a comprar um passe, se depois não podemos utilizar? Na minha opinião, devia ser possível recuperar o dinheiro perdido nos dias de greve. Concordam?

Hoje há greve do Metropolitano de Lisboa. Já que nada posso fazer em relação a isto, deixo-vos este desabafo juntamente com o website onde podem encontrar as próximas greves para que não andem desprevenidos.

domingo, 17 de novembro de 2013

Reflexão do dia.

Quando acreditamos que é possível, não há limites. Os sonhos tornam-se realidade!

Jovita Capitão.

sábado, 16 de novembro de 2013

Reflexão sobre a escrita e agradecimento aos leitores.

Dedico a minha vida à escrita desde que me lembro. Mas nem tudo são rosas. A maior parte dos meus manuscritos estão fechados em gavetas. Durante anos a escrita foi um hobbie. Uma forma útil de fugir às responsabilidades da vida e uma forma de ser eu própria num mundo criado por mim. Através dela sentia-me segura. Sentia-me dona de alguma coisa. Sentia que conseguia fazer tudo o que quisesse. As palavras permitem-nos voar e sonhar quantas vezes quisermos. Sem limites! A minha vida sem a escrita, seria uma vida sem interesse, vazia. Quase suponho que não passaria sequer do anonimato. Estaria destinada a ser para sempre uma flor igual às outras. Floresceria quando tivesse que ser e morreria tal como as outras sem esperança e sem destino. Felizmente, a escrita salvou-me. A escrita renova a minha alma a cada dia que passa. Nem sempre a inspiração aparece, mas ela existe nos momentos que mais preciso. Sempre que preciso transmitir uma ideia, lá está a escrita outra vez. Hoje em dia, já não penso na escrita como um simples hobbie. Ela é muito mais do que isso. Desde que criei a Rainha que a escrita passou a ser parte de mim como profissão. Não interessa se estou a fazer algo diferente. Não interessa se trabalho aqui ou ali, se estudo isto ou aquilo. A escrita sou eu como um todo. A minha escrita sou eu, a minha personalidade, as minhas opiniões sobre os mais diversos assuntos, as minhas emoções, as minhas ideias, o meu choro, o meu sorriso,... toda a minha essencia está relacionada com aquilo que escrevo. Assim, não importa o que diz o meu currículo. Não importa o grau daquilo que já estudei. Não importa o pouco que sabem a meu respeito. Importa apenas que aquilo que sou está implicito em cada palavra, em cada frase, em cada texto, em cada poema e em cada livro, quer tenha sido publicado quer não. Além disso, é importante referir que a escrita só faz sentido que houver quem a leia. Por isso só tenho de agradecer a todos os leitores e amigos da Rainha pelo tempo dedicado a ler o que publico. Sem vocês, a Rainha não era o que é hoje. São vocês, queridos leitores, que dão vida a cada palavra que escrevo, por isso hoje gradeço as quase 50.000 visitas no meu blogue. Obrigada a todos!
 
Jovita Capitão.

Ler para aprender...e crescer.

Quando eu era pequenina
sonhava ser uma princesa.
Lia e escrevia sem parar
com a maior destreza!

Meu pai deu-me um livro
cheio de cores e desenhos
com histórias de outros tempos
de encantos tamanhos!

Eram contos, eram histórias.
Umas verdadeiras, outras não.
Eram verdadeiras memórias
que hoje preservo no coração!

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Frase do dia

Apesar dos ventos agrestes e das tempestades continuo a olhar em frente. Se hoje não foi dia de sorrir, então sorrirei amanhã...

Jovita Capitão.

Um dia ao contrário

Um dia acordei
e tinha o mundo ao contrário.
Parecia feitiço,
ou um conto do vigário.

Levantei-me e dei por mim
com a cabeça no lugar dos pés.
Vi tudo a andar à roda
e quase caía de vez.

Sentei-me para não cair
agarrada a um livro.
Pensei que desta forma
me livrava do feitiço.

No entanto, também o livro
tinha as letras ao contrário.
Ao que eu pensei então:
«O que vou fazer com isto?»

Fechei o livro, fechei os olhos.
fechei o coração e o sorriso.
Limitei-me a acreditar 
que estaria sem juízo.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Projecto Divulga Escritor



Queridos leitores e amigos da Rainha. Encontro-me a partir deste momento num projecto que se chama: "Divulga Escritor". Tal como o nome indica, serve o presente para divulgar Escritores de todo o mundo. Tenho o maior orgulho em fazer parte desta equipa!

Entretanto, tenho um desafio para si, caro leitor da Rainha. Convido-o a fazer parte deste projecto! Ajude-nos a divulgar o " Divulga Escritor" e torne-se nosso parceiro. Caso o leitor tenha um blogue ou um website, divulgue o " Divulga Escritor" que nós divulgaremos também o seu site.

Se simplesmente gostaria de divulgar e não sabe onde, faça essa mesma divulgação no facebook, partilhando ou fazendo like na página: https://www.facebook.com/DivulgaEscritor

Você escreve - Nós divulgamos!
Faça parte deste grande projecto!

Jovita Capitão
Divulga Escritor

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

A contagem das ovelhas

Podia começar pelo número um
mas como sou do contra
coloquei de parte os mais fáceis
e comecei por outra ponta.

Dez mil ovelhas à sombra
a pastar num belo prado
encontraram uma tômbola
e levaram-na ao mercado.

Nove mil partiram pelo mundo
para conhecer outras vidas
mas num simples segundo
encontraram obstáculos
e mil sentiram-se vencidas.

E por ali ficaram.

As oito mil continuaram
a explorar coisas diferentes
nunca antes tinham visto
tantas terras, tantas gentes.

Com tanta coisa para ver,
pois mil cores tinham à volta,
cerca de mil quiseram aprender
a andar numa moderna mota.

Assim, a grande velocidade
partiram mundo fora
e na mais rápida metade
foram-se embora.

Das sete mil que ficaram
mais de metade tinha preguiça.
Não resistiram a uma paragem
à beira de uma ria veraniça.

E foi então que as restantes
ovelhas daquele prado
decidiram por instantes
que algo estava errado.

As pacatas duas mil ovelhas
fizeram então uma reunião,
onde discutiram as ideias
sobre quem ficava e quem não.

Mas o sono bafejou-as
e apenas uma ficou de pé.
Todas as outras adormeceram
mal começaram a ouvir a ré.

O que faz uma ovelha sozinha
quando estão mil a ressonar?
Sorri ao ver que afinal
não estava acordada, mas sim a sonhar!

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Lengalenga da matemática

Vejo números,
como nunca antes vi,
desde o zero
até ao famoso π.

Um, dois, três e quatro.
Não quero perder o anonimato.
Cinco, seis, sete e oito.
Um dos números corre afoito.
Nove, dez, onze e doze.
E se eu for ao restaurante pedir uma dose?
Treze, catorze, quinze e dezasseis.
Valha-me o dia de Reis!
Dezassete, dezoito e dezanove
Será que amanhã chove?
Vinte, e vinte e um.
Já não conto mais nenhum.

Falta-me apenas decifrar
o que está escrito ali,
naquela incógnita sozinha
abandonada pelo preconceito.

A ela, falta emigrar
e dizer ao mundo inteiro
que arranjou a vida de outro jeito.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Aponto tudo num Diário (TVI). - A Recordação um ano depois.

Há coisas que deixam saudade! Faz hoje precisamente um ano que fui entrevistada nos estúdios da TVI. Para mim, foi um privilégio enorme conhecer de perto o trabalho destes magníficos apresentadores Manuel Luís Goucha e Cristina Ferreira. Ao mesmo tempo, tive o prazer de conhecer o Professor e Escritor Paulo Frederico Gonçalves. A conversa decorreu em torno de um tema bastante interessante: A Escrita. Vale a pena voltar a ver o vídeo outra vez. As imagens dizem tudo! :)








                                         Clique no link para ver o vídeo novamente! :)

Stress fora!

Vou deitar para o lixo
tudo aquilo que me faz mal
Stress fora!
Pelo menos até ao Natal.

É impressionante
as milhares de tentativas vãs
de me manter tranquila
todas as manhãs.

Há sempre alguma coisa
que me vem tirar a paz.
O stress é a pior coisa!
Ele provoca coisas más.

Por isso digo outra vez:
Stress fora!
Vai-te embora!
Não te quero cá mais.

Jovita Capitão, Rainha das Insonias.

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

E se eu voltasse ao passado?

Se eu voltasse ao passado
as lágrimas da saudade
cairiam uma a uma
num fardo .
Num fardo de palha?
Não, um fardo de sentimento.

Se o passado trouxesse para o presente
tudo aquilo que mais preciso
talvez me mantivesse lá
com mais juízo.

Talvez, voltar nem fosse preciso.
E o choro daria lugar ao riso.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Imensurável tédio

Imensurável tédio
que me consome
num som disforme
de tamanho médio.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

terça-feira, 5 de novembro de 2013

Na expectativa de uma data importante!

Todos nós sabemos que quando se aproxima uma data importante, a primeira coisa que acontece é ficarmos na expectativa sobre as mudanças que ocorreram desde esse dia. É assim que me encontro neste momento. 

Aproxima-se um dia importante para mim. Vou recordá-lo para sempre!!! Vejamos o que acontece no próximo dia 8 de Novembro. ;)

Jovita Capitão.

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

O aconchego do ninho.

O passarinho chegou ao ninho
e aconchegou-se num cantinho.
Adormecendo de imediato
num elegante soninho.

Está frio.
É  tempo do aconchego do ninho.

O ninho é o nosso lar.
Aquele que nos recebe sempre
sem nunca se queixar.

É o nosso porto-de-abrigo
em tempos de solidão.
E de encanto em noites de verão.

O meu ninho é o meu encanto.
Lugar de descanso e de paz.
Lugar onde me sento a ler
e onde é costume escrever.

Um lugar que me apraz,
e que satisfaz o passarinho.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Bruxas em Greve - Congestionamento no trânsito das vassouras.


imagem da internet
Todos os anos, milhares de bruxas se juntam a fim de celebrar o seu dia. O famoso dia das bruxas comemora-se no dia 31 de Outubro. Mas hoje, o dia foi marcado, não pela celebração, mas pela greve. As bruxas colocaram as vassouras de lado e foram a pé até ao parlamento revidar as últimas leis que o primeiro ministro inventou. Elas, as bruxas juntaram-se em magote e assim que se viram sem as vassouras dispararam unhas de rã, pernas de sapo, sal, amêndoas trituradas, tomates podres e afins para que fossem ouvidas. Gerou-se a maior confusão na cidade das bruxas. Todas elas, vermelhas do esforço gritavam a plenos pulmões que assim não podia ser. Recusavam-se a pegar novamente nas vassouras quando se viram rodeadas das forças de segurança. Foi o caos. Centenas de vassouras precipitaram-se no ar a fim de lhes fugir. No entanto, tantas eram que congestionaram todas as saídas. As forças de segurança nem queriam acreditar no que viam. Assombrados, saíram a correr para o parlamento. Tanto foi o medo, que o primeiro ministro voltou atrás na sua palavra e propôs um aumento de salário e uma vassoura nova para cada bruxa da cidade das bruxas.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Queridos leitores e amigos da Rainha, espero que tenham gostado da história. :)

Sonhar com o coração...numa noite de luar.

A lua dança ao som do vento
e abraça as estrelas uma a uma,
cria-se uma atmosfera do momento
e envolve-se um cruzado sentimento
em mil orlas de espuma.

As bruxas espreitam ao luar
e vêem-nas ao longe dançar .
Também as querem imitar
enquanto continuam a contemplar,
matando seu desejo junto ao mar.

O ambiente misterioso
para uns é intrigante,
para outros assombroso,
e para mim apaixonante.

Faz-me sonhar com o coração...

Procuro na estante uma emoção
que me explique aquilo que vejo,
numa barca sobre o Tejo.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Valorização Pessoal

Hoje acordei mais tarde por causa da greve. O metro está encerrado até amanhã de manhã, por isso aproveitei para organizar a casa, para pôr a escrita em dia e para estudar.«Estudar?» Perguntam vocês. Sim, estudar! Eu voltei aos estudos, até porque uma Escritora que se preze tem de estar sempre a aprender para alargar o leque das suas possibilidades. Neste caso, é uma questão de valorização pessoal. 

Aconselho a quem tiver oportunidade, que nunca deixe de estudar. Aprender é essencial para ter sucesso no dia-a-dia. Eu sei que existem aquelas matérias mais difíceis ou aquelas disciplinas que gostamos menos ou que não entendemos. Mas há que fazer um esforço, no sentido de reforçar aquilo que já se conhece. No futuro, vão entender o porquê. Eu entendi isso tarde, mas ainda fui a tempo. Nunca é tarde para aprender.

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Complexidade

Entendo por complexidade
tudo aquilo que não compreendo.
Tento aprender a verdade,
mas na verdade não entendo.

Quanto mais complexo o assunto
mais tenho vontade de fugir...
navegar nos meus pensamentos
até uma saída surgir.

Enquanto não visualizo a solução
começo pois, a divagar.
Chamo a vossa atenção
para a minha alma guardar.

Escrevendo vejo a esperança,
que por mim passa apressada.
Tenho de apanhar desprevenida
a desgraçada,
antes que ela se esconda
numa redoma redonda
e não me explique mais nada.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

A ver o sol nascer... para encontrar o caminho.

Fiquei em silêncio
a fim de escutar
o que o coração me diz
para me poder acalmar.

Decidi
esperar pelo tempo,
esquecendo o vento
que se fazia notar.

Pensei
que talvez fosse eu,
que não soubesse para onde ir.
Talvez tivesse medo de cair.

Meditei.
A fim de acreditar mais
em mim
e deixar de duvidar,
daquilo que sei.

Decidi portanto acreditar
e colocar os pés no chão
e percorrer meu destino.
Vou estudar e escrever.
É esse o meu caminho.

É ver para crer?
Nem um pouquinho.
Basta apenas acordar cedinho.
Ver o sol nascer...

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Desbravar os terrenos do conhecimento!

Tantas coisas para aprender!
Tantas coisas para descobrir!
Tantas coisas vou fazer
para um dia usufruir.

O segredo é acreditar
e continuar a lutar.
Um dia eu vou vencer!
Vou conseguir podem crer!

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

domingo, 27 de outubro de 2013

Desabafo

Quando penso que posso almejar mais, vem uma rajada de vento e muda todo o conceito. Passo a vida a fazer planos para o futuro, mas quando os faço parece que tudo se modifica à minha volta. Por vezes penso que devia viver um dia de cada vez, sem me preocupar tanto com o futuro. Mas assim que a minha atenção se volta para outro sentido recomeço a procura de novos conceitos e informações de modo a melhorar cada aspecto da minha vida. Claro que consequentemente acabo por fazer esboços daquilo que poderá vir a acontecer. A desilusão é evidente pois, não posso controlar tudo. Por vezes dependemos de elementos externos e pouco ou nada podemos fazer. É a vida... Enfim, deixo apenas o meu desabafo.

Jovita Capitão.

Voltas e Voltas

São voltas e voltas que damos na vida
enquanto procuramos uma digna saída.
Sabemos que cada dia é diferente
que sozinhos ou não, somos gente.

Lutamos quase sem forças
até ao último momento,
ansiando uma solução
para o nosso tormento.

Mas as voltas que a vida dá,
apanham-nos num laço.
E assim que nos voltamos
já modificamos um pedaço.

A vida muda a cada compasso.
Conseguiremos sair deste embaraço?

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Frase do dia



Encontrei esta imagem no facebook e concordo plenamente. Não resisti a partilhar!

" Ninguém é tão alguém que não precise de ninguém" - Autor desconhecido.

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Mensagem para os leitores da Rainha

Olá a todos, queridos leitores e amigos da Rainha. A escrita continua, apesar de não ser tão frequente. Mas a vida dá muitas voltas, e um dia Esta vai tornar-se a minha única ocupação. Enquanto isso não é possível, vou continuar a lutar por melhores condições de vida. Mas confesso que hoje estou bastante cansada. No entanto, não resisti a espreitar o blogue para escrever qualquer coisa, pois quando não escrevo, sinto-me bastante triste e até parece que perco a minha identidade. A escrita é que me ajuda a  aguentar a pressão dos dias piores. E nos melhores dias faz com que os meus olhos brilhem todo o tempo. Mas quero dizer-vos que apesar de ter abrandado neste aspecto da minha vida estou por perto e disponível para responder a todos os comentários e para vos agradecer sempre que for necessário. Muito obrigada a todos os que seguem este meu cantinho. O meu bem haja a todos! 

Jovita Capitão.

domingo, 20 de outubro de 2013

Tantas coisas que sinto cá dentro!

Tantas coisas queria dizer!
Tantas coisas queria revelar!
Mas o meu coração,
mais pequeno que um pinhão
diz-me para não avançar.

Tantas coisas que sinto cá dentro!
Tantas coisas que queria explicar!
Mas ainda não é o momento
dos segredos revelar.

Tantas coisas queria gritar!
E aos cantos do mundo dizer!
Mas a vida dá voltas e voltas
e apenas me faz aprender.

E em silêncio fico
mesmo querendo falar.
Pois, as palavras traem meu coração.
E fico calada então
para não me assustar.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Uma Viagem de três anos

Amanhã inicio uma grande viagem. Uma viagem de três anos. «Três anos???» Perguntam-me. Sim, três anos. É quanto basta para mudar a minha vida por completo. É quanto basta para ser feliz por inteiro. É quanto basta para melhorar o que preciso de melhorar. Três anos é quanto basta para me sentir realizada. Na bagagem levo apenas amor, alegria, amizade, e pouco mais para ser feliz. Quero apenas percorrer caminhos nunca por mim percorridos que vão mudar o rumo da minha história de vida. Eu sei que estão todos curiosos para saber o que é que eu vou fazer durante os três anos que se seguem. No entanto, ainda não vou revelar pormenores desta viagem. Mas posso dizer que serão três anos de aprendizagem e de crescimento tanto a nível pessoal como a nível profissional. Sei que vai valer a pena!

Jovita Capitão.

Tente não Rir, se conseguir! :)


sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Reflexão:A felicidade não guarda rancor.

A vida compõe-se de momentos fantásticos. Por vezes não sabemos é como reagir a tais momentos. Estamos por vezes tão absortos, pensando em coisas negativas e acabamos por não nos aperceber das oportunidades que estão à nossa volta. As amizades verdadeiras, o amor, rir, socializar, ler um bom livro, tomar chá com os amigos, estar com a família, ver um pôr do sol, apreciar uma paisagem... tudo coisas que fazem parte da vida e que nos passam ao lado quando simplesmente fechamos os olhos para elas. Somos nós que desistimos de ser felizes. Somos nós que mandamos embora a felicidade quando ela nos bate à porta. E ela, a felicidade, fica tão triste que vai embora e desaparece da nossa casa durante o tempo suficiente para que possamos reparar que ela é importante. Quando abrimos os olhos para a vida, ela volta. A felicidade não guarda rancor, porque a missão dela é tornar-nos pessoas mais felizes.

Jovita Capitão.

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Não existem limites!

Não existem limites para a mente
ao contrário do corpo que desmente.
Muitos não acreditam infelizmente
e levam uma vida demente.

Não existem limites quando sonho
as fronteiras, passo-as uma a uma.
Viajo por entre terras diferentes
à procura de gentes mais inteligentes.

Não existem limites para o corpo
se por dentro a alma for bem viva.
Vamos sonhar mais alto ainda
para não andarmos à deriva!

Não existem limites
pois, eles são por nós provocados.
Quando pensamos que não conseguimos
vemos os caldos entornados.
Deixamos de ser livres
e esquecemos que somos amados.

-Não existem Limites Fernão!
Já dizia o seu grande amigo.
Se acreditarmos nos sonhos
não corremos grande perigo.

Não existem limites para mim
Porque a vida me ensinou assim!
Que as palavras sejam sempre eternas,
quer sejam antigas ou modernas.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

A História de Fernão Capelo Gaivota


Queridos leitores e amigos, já conhecem a história de Fernão Capelo Gaivota? Não? Então descubram este maravilhoso livro que nos faz sonhar. Encontrei-o entre algumas velharias do velho sótão da casa dos meus pais. Pedi-lhes emprestado. É uma belíssima história de coragem e de luta pela independência e liberdade de escolha. Apesar de ser uma história bem antiga, não passa de moda, pois todos nós ansiamos pelo mesmo. Este livro foi impresso em Dezembro de 1974. 

Deixo-vos um excerto para vos aguçar o apetite.

"-Porquê, Fernão, Porquê?- Perguntava-lhe a mãe. - Porque é que te custa tanto ser como o resto do bando? Porque não deixas os voos baixos para os pelicanos, para o albatroz? Porque não comes? Filho, tu estás penas e osso!
-Não me importo de estar penas e osso, mãe. Eu só quero saber o que posso fazer no ar e o que não posso, é tudo. Só quero saber isso.
-Escuta, Fernão - Disse-lhe o pai com bondade. - O Inverno não está longe. Haverá poucos barcos e o peixe da superfície irá para zonas mais profundas. Se tens necessidade de estudar, então estuda o alimento e como consegui-lo. Esta história está muito certa, mas tens de pensar que não podes comer um voo rasante. Não esqueças que a razão por que voas é comer.
Fernão baixou a Cabeça, obediente. Nos dias seguintes tentou comportar-se como as outras gaivotas. Tentou de facto, gritando e lutando como o resto do bando, em volta dos pontões e dos barcos de pesca, mergulhando sobre restos de peixe e de pão. Mas não conseguiu.
Não faz sentido, pensava ele largando deliberadamente uma anchova suculenta, que lhe custara bastante a ganhar. Não faz sentido... Eu podia ganhar todo este tempo a aprender a voar. Há tanto que aprender!"

Esta história deliciosa vale mesmo a pena ler. Procurem nas Feiras do Livro, junto dos Alfarrabistas ou nas Livrarias mais antigas.

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Dicas para reencontrar a inspiração

Queridos leitores e amigos da Rainha, como todos sabem a escrita é a minha vida, mas tal como qualquer escritor que se preze também eu tenho os meus momentos de falta de inspiração. Não é frequente mas é normal, visto que existe tanta coisa a desviar a minha atenção. Assim, lembrei-me de escrever sobre este tema. Desta forma, espero ajudar todos aqueles que também escrevem através da minha experiência pessoal.

  • Sair à Rua: Por vezes saio à Rua para ver outras coisas, ouvir conversas de café, conversar com alguém sobre um tema de interesse actual, ou simplesmente para escrever no meu caderno sobre aquilo que vejo.
  • Conversar com alguém: Quando converso com alguém, muitos temas são desenterrados, os quais podem ser uma mais valia para a escrita.
  • Pesquisar na internet: Por vezes, uma pesquisa aprofundada na internet faz com que mil ideias venham à memória. Além de que me ajuda a perceber a quantidade de vezes que um determinado assunto já foi abordado.
  • Redes Sociais: As Redes Sociais são fontes valiosas de informação. Sejam elas de fonte segura ou não, uma coisa é certa, ideias não faltam. 
  • Ouvir Música: Por vezes, a única coisa que me ajuda a ter inspiração é ligar o rádio e ouvir música. A música reflete sempre o meu estado de espírito, por isso é indispensável para escrever.
  • Ler revistas, jornais e afins: Quando não existe outra fonte de informação, recorro a jornais e revistas. Primeiro, para procurar notícias actuais sobre as quais possa escrever. Segundo, para procurar ideias sobre outros temas que não estejam  a ser desenvolvidos, porém sejam igualmente importantes.
  • Ler um bom livro: E que tal, ler um bom livro quando o tempo o permite? Vale a pena soltar a imaginação através das palavras que outra pessoa escreveu. Muitas vezes acontece que, depois de ler um livro, desato a escrever sem noção das horas.
  • Sair da rotina: A vida é feita de rotinas que se tornam aborrecidas, assim a inspiração é sufocada e não aparece. É bom planear uma coisa diferente. Uma viagem, um passeio, falar com alguém que não se vê há muito tempo, visitar um museu ou algo semelhante são coisas que procuro fazer sempre que caio na rotina.
  • Cozinhar: Quando não há volta a dar o estômago alerta. E lá vou eu para a cozinha preparar algo que me desperte os sentidos.
  • Comer algo doce: E para finalizar, se não puder faze-lo em casa, saio à rua só para comer algo doce. Nada melhor do que comer chocolate. Visto que é um bom estimulante do cérebro ajuda-me sempre a ter ideias doces.

Estas são apenas algumas das coisas que eu faço para reencontrar a inspiração perdida. E vocês? O que vos inspira?

Ao Som das Doze Badaladas

Cinderela estava encantada.
Pelo seu príncipe enamorada.
Não pensava em mais nada
e a ele estava abraçada.

A história parecia um sonho.
Nunca vivera nada assim.
E quando as badaladas soaram
nada ouviu, ou mesmo fingiu
que o tempo parava ali.

No entanto não parou
e o som se propagou.
Ao longe todos ouviram
e alertas emitiram.

Mas a menina sonhadora
só querida que o tempo parasse
e jurou dali não sair
sem que o príncipe se apaixonasse.

Assim, à resvés da oitava badalada
deu-lhe um beijo, enfeitiçada
ao que ele respondeu:
-És tu a minha amada!

Missão cumprida, desatou a correr.
Quase tropeçou na escadaria.
E ainda acenou para o seu príncipe
dizendo que voltaria um dia.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Apetece-me!...

Apetece-me!... Despir-me daquilo que sinto e renascer com ideias diferentes. Apetece-me!...Dançar na chuva à lua cheia. Apetece-me!... Cometer uma loucura e correr para ti agora mesmo. Apetece-me!... Arriscar, acreditar mais, concretizar algo diferente. Apetece-me!... Dar a volta ao mundo sem dizer nada a ninguém. Apetece-me!... Fechar-me numa casa de campo a escrever os meus livros. Apetece-me!... Aquecer-me nos teus braços. Apetece-me!... Ler uma boa história. Apetece-me!...Ser a protagonista da minha história. Apetece-me!... Um gelado de morango. Apetece-me!... Uma tarte de maçã com canela. Apetece-me!...Um chá de frutos vermelhos. Apetece-me tanta coisa diferente! Apetece-me mudar tudo. Apetece-me ser feliz. Apetece-me levar-te comigo. Apetece-me gritar por ti. Apetece-me chamar por mim. Apetece-me voltar à infância! Apetece-me voltar para o colo da minha mãe. Apetece-me voltar a nascer e fazer tudo diferente. Apetece-me tudo...apetece-me nada. Apetece-me tanta coisa que nem sei concretamente o que me apetece mais.

Hoje foi assim - Com Mousse de Chocolate.

Queridos leitores e amigos da Rainha. Eu disse que hoje ia dedicar-me à Mousse de Chocolate e foi o que fiz. Espero que gostem. As imagens dizem tudo! :)







Qual é a sua sobremesa preferida?

Segundo a Rádio Comercial, hoje é dia da sobremesa. As hipóteses de escolha são mais que muitas. Comecei até a imaginar como é bom saborear uma boa Mousse de chocolate ou então mordiscar um pedaço de Bolo de côco. E que tal uma colherzinha de delícia de café? E se for uma gelatina de morango? Hum, já estou a imaginar um semi-frio de café com chantili por cima. E que tal um pequeno brigadeiro com raspas de limão? E uma colher de doce da Avó? Só de pensar no assunto fico com água na boca. Eu gosto especialmente de doces com chocolate mas tudo depende do meu estado de espírito. Qualquer sobremesa serve desde que seja bem doce. Hoje não resisto a fazer a minha famosa Mousse. Querem que vos conte como ficou? Fica prometido!

Diga-me, qual é a sua sobremesa preferida? ;)

domingo, 13 de outubro de 2013

A vida é uma Escola

No corre-corre da vida
não há tempo para respirar
A luta é constante
mas não se pode desanimar.

A vida é uma escola
que nos ensina diariamente.
E cada dia que passa
temos de agir sabiamente.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Mudança de Cor - Um toque de paz

Queridos leitores e amigos da Rainha, já devem ter reparado na pequena mudança que fiz no blogue. Pois é, mudei a cor de fundo e fiz algumas alterações. O que acham da mudança? Por vezes as mesmas coisas também cansam não acham? Parece até que a Rainha está mais iluminada! Esta mudança deveu-se a alguns pedidos de alguns leitores. Obrigada por estarem desse lado emitindo soluções para melhorar todos os dias, quer na escrita, quer na imagem que o meu blogue reflete. A todos muito obrigada e espero que gostem desta simples mudança. 

Jovita Capitão.

As Mosqueteiras da Poesia

As Mosqueteiras da Poesia
lutam por um mundo melhor,
em que a escrita seja a Rainha
com todo o seu esplendor.

Condecoradas foram
neste preciso instante,
pela coragem de gigante
e por amor à Poesia.

As Mosqueteiras da Poesia,
são elas as seguintes:
Filomena e Margarida
que estão sempre presentes.

A atenção que detêm
por aquilo que escrevo,
inspira-me a continuar
e pela poesia lutar!

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Dedico este poema às minhas amigas Margarida Castro e Filomena Castro. As Mosqueteiras da Poesia.

A Rainha da Poesia

A Rainha da Poesia
tem o cetro na mão,
ordena que se escreva
quer haja vontade, quer não.

A Rainha da Poesia
fala ao meu coração,
as palavras que melhor
se adaptam ao seu condão.

Porém, a Rainha da Poesia
ensinou-me a lição.
Rainha é a poesia
que sai do meu coração.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

A Poetisa da noite

No acto de poetizar
a poetiza não se esconde.
Liberta no seu olhar
uma ânsia de escrever
e simplesmente responde.

Pode, por ironia, responder
se o coração lhe impuser.
Mas pode deveras derreter
se «amor» alguém lhe der.

A poetisa da noite
rima pela noite fora.
Quer chova, quer não chova,
chovem palavras sem demora.

E a lua espreita
pela sua janela,
enquanto ela escreve
de forma Singela.

A poetiza da noite
não dorme se tiver que escrever.
Pois, sente cá dentro um impulso
que se propaga na ânsia de viver.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

A Natureza depende de todos nós

A Natureza é o nosso chão.
A Terra é o nosso lugar.
A vida é o que então
elas têm para nos dar.

Respirar saúde
não é para qualquer um.
Mas ninguém se ilude.
A Natureza depende de todos nós,
um por um.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

O último Eça - de Miguel Real



Queridos leitores e amigos da Rainha, apresento-vos o " Último Eça", um livro de Miguel Real. Descobri este exemplar numa feira do livro por apenas 3€. Isso mesmo! Um verdadeiro achado. Esta relíquia estava escondida entre outras quantas e chamou-me a atenção por duas razões muito específicas. Primeiro porque sempre me atraíram os grandes Clássicos da Literatura Portuguesa. Segundo, a importância que esta obra têm é definitivamente o seu conteúdo.

Na contracapa podemos ler o seguinte: 

"Portugal que hoje conhecemos é o mesmo que Eça viveu nas décadas de 80 e 90 do século XIX: As instituições como a Justiça, a Educação e a Saúde estão bloqueadas ou são ineficazes, temos uma classe política medíocre, um empresariado especulativo, elites que visam a fama sem o suor do trabalho, um povo que rasteja em Fátima ou ulula em estádios de Futebol. Ler Eça hoje é, por isso, extremamente actual, para além de nos ajudar a suportar a farsa que Portugal se foi tornando, contrariando as promessas da democracia. Mas a verdade é que a generalidade dos críticos classifica o Eça dos últimos anos como um burguês resignado, acomodado e passivo, do que Miguel Real discorda em absoluto. Contrariando assim as teses do Estado Novo e de estudiosos tão diferentes como António Sérgio, Jaime Cortesão ou António José Saraiva, o autor de o Último Eça substitui os adjectivos «resignado», «vencido da vida» ou «passivo» por «humanista», «empenhado», «profundamente sensível e consciente», oferecendo uma visão humanista revolucionária dos últimos anos da vida do grande Escritor Português e sugerindo uma nova periodização e classificação da totalidade da obra de Eça de Queirós."

Esta obra vai complementar os meus estudos Queirosianos, visto que voltei a ler os Maias. É um complemento preciosíssimo. Recomendo!

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

De volta à Escrita

Queridos leitores e amigos da Rainha, cheguei a um ponto de reflexão e a um momento de muitas decisões a respeito do meu futuro. Como muitos sabem a precaridade laboral e o desemprego não param de crescer. É lamentável o que determinadas Empresas fazem só para não terem responsabilidades perante o trabalhador. Assim sendo, e porque nem a minha experiência foi suficiente para mergulhar a longo prazo num projecto por contra de outrem, faço o que o meu coração me diz para fazer. Estou de volta à Escrita! Não que me tivesse separado totalmente, mas porque a coloquei de lado por uns tempos pensando que com o tempo retomava o prazer que ela me transmite. No entanto, a minha estadia na Empresa foi de curta duração e agora pretendo dar o meu máximo àquilo que é de facto a minha vocação. E cá estou eu, de volta à Escrita outra vez! :)

Insónias para quê?

Insónias para quê?
Para escrever pela noite fora.
Para transcrever o que me vai na alma.
Para preencher a madrugada.

Insónias para quê?
Para saborear a vida.
Para encontrar uma saída
para a tormenta terrena.

Insónias para quê?
Para adormecer o sufoco.
Esquecer tudo o que é oco,
aquilo que não tem vida.

Insónias para quê?
Para renovar a esperança
deste coração de criança,
que insiste em sonhar
maravilhas de encantar.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

terça-feira, 8 de outubro de 2013

Grito de Coragem!

Num grito de coragem
esqueci o mundo
e tentei escrever
no profundo do meu ser.

No entanto, gritei
para me fazer ouvir.
Não posso temer quem de longe se ri
por não conseguir.

Gritei bem alto,
ao longe, naquele asfalto.
Gritei outra vez
para que ouvissem
e não esquecessem.

Grito de coragem
para que as palavras não morram
para que de esperança se vistam
para que eu possa sorrir outra vez.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Lá vamos nós outra vez

Lá vamos nós outra vez
descobrir o mundo de uma só vez
quer sejam dois quer três
a história é sempre a mesma que vês.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

domingo, 6 de outubro de 2013

Mensagem do dia

Quem me dera ser um pássaro e poder voar pelos céus para bem longe...talvez encontrasse coisas extraordinárias que me fizessem sonhar.

Jovita Capitão.

sábado, 5 de outubro de 2013

Bom Fim-de-Semana

Queridos leitores e amigos da Rainha, passei por aqui hoje para vos desejar um óptimo fim-de-semana! :)

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

As cores do Arco-Iris

As cores do Arco-Iris
são amigas, são irmãs.
Dão as mãos suavemente
todas as belas manhãs.

Podemos encontra-las
a brincar no jardim.
Ou apenas a descansar
num cantinho por aí.

No verão vão de férias
e escondem-se no azul do céu.
No inverno dão-se a conhecer
depois de uma bela chuva
onde detém grande prazer.

As cores do Arco-Iris
estão sempre prontas para nos ajudar
a escolher o nosso caminho.
Para nos orientar.

Pois, as cores são a alegria
da nossa bela existência
e nesta sua harmonia
conhecemos a transcendência.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Uma melodiosa música no meu telhado

Não conseguia dormir
levantei-me e fui à rua.
Mas a chuva impediu-me
de ver a minha lua.

Voltei para dentro e deixei-me cair
nos meus lençóis quentinhos.
Fechei os olhos e tentei dormir.

Mas com o pingar da chuva no telhado
deixei o sono de lado.
E por momentos soergui-me
e o que ouvi soou-me a fado.

Uma melodiosa música no meu telhado.
Um pingar entoante
que estonteantemente me embalou.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Viajando nas asas do pensamento...

Viajando nas asas do pensamento
percorro a paisagem do sentimento
e faço tertúlias num bom momento
agradecendo a vida, o unguento
e o amor que sinto cá dentro.

Viajando nas asas do pensamento
abre-se um arco-iris de cores
repleto de imensos amores
e alegria a todo o momento.

Viajando nas asas do pensamento
sou a pessoa mais feliz
pois a vida sem sentimento
não é mais do que cantis
levados pelo vento
ou ardis a todo o momento.

Viajando nas asas do pensamento
termino assim este poema
ideia melhor do que cinema
que um amigo me deu
nesta noite serena.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Quero é ser feliz!

Ser feliz, é a minha prioridade.
A escrita, é a minha vontade
O amor, a minha metade.
A alegria, a minha saudade.
A felicidade não tem idade.
Por isso quero é ser feliz!

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Feliz Novo Dia!



Queridos leitores e amigos da Rainha, costuma-se dizer que quando se fecha uma porta, uma janela se abre para que possamos ser felizes. Eu acredito plenamente que é assim que funciona, sei por experiência própria. Um destes dias, enquanto estava na minha hora de almoço andei a passear como de costume na feira do livro da estação do Oriente. E encantada estava com tantos livros à minha volta, nem dei pelo tempo passar. É sempre assim, quando gostamos de algo, o tempo voa. E encontrei este livro que apesar de pequeno, é simplesmente fantástico! Durante algumas semanas ia ler mais um bocadinho, até que criei dentro de mim o desejo que o comprar. E foi o que fiz. No último dia de Setembro, adquiri este exemplar que não me canso de ler. O assunto é muito simples: Aproveitar o dia, desde que ele começa. Todos os dias temos oportunidade de nos estrear, oportunidade de aprender, oportunidade de ser feliz. Eu acredito que é possível, pois a vida têm-me mostrado que assim é.

A vida continua

A vida continua
mesmo que paremos no tempo
e com ternura
agradeço o sentimento
que me empurra
em direcção ao caminho certo
apesar do pensamento incerto
que se me apresenta entretanto.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Virar a página.

Ao virar a página
entro numa outra dimensão.
Todo o interesse que eu tinha
morre desde então.

Quando menos espero
a vida volta a mudar.
E viro mais uma página
até o livro acabar.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Seguir caminho

Por vezes o melhor é seguir caminho.
Esquecer o que ficou para trás.
Deixar para trás as coisas más.
E sorrir um bocadinho.

Nem tudo está perdido
nesta viagem que é a vida.
A chuva também passa
E o sol volta sempre a brilhar.
Nunca paremos então, de sonhar!

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

domingo, 29 de setembro de 2013

Os donos do Mundo

Os donos do mundo
têm dinheiro e poder.
Embora nem sempre
façam por merecer.

Os donos do mundo
têm os outros na mão.
Acham que têm direito
e inovam o conceito.

Os donos do mundo
desprezam os demais.
Esquecem que um dia
foram pessoas "normais".

Mas os donos do mundo
acabam sozinhos
pois não se interessam
pelos seus vizinhos.

Os donos do mundo
são os mais frustrados,
tristes, sós e abandonados são,
por todos os desprezados.

Os donos do mundo não são ninguém.
Quando choram, ninguém vê.
Quando riem ninguém sonha.
Quando morrem, ninguém se lembra.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

sábado, 28 de setembro de 2013

Chuva

Um som indefinido
acordou-me de madrugada
era a chuva lá fora
que ao de leve me chamava.

Abri a janela de par em par.
Estava escuro como breu.
Encontrei-me com a chuva
que um presente me deu.

O presente de saber
que estou viva
e que mereço ter
a oportunidade de ver
a chuva a cair
antes de ir dormir.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

O Outono chegou!

O vento voltou
e a chuva já se fez sentir.
O tempo mudou
e o sol não voltou a sorrir.

O Outono chegou
e com ele os dias mais frescos
as longas noites mais frias
e os agasalhos mais quentes.

O tempo deixou para trás o Verão.
As praias, a alegria, e o amor.
Volta a chuva e o trovão.
Mas o amor disse que não
e voltou mesmo assim :)

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Frase do dia! - As palavras...

"As palavras sempre ficam, para aqueles que as desejam".

Jovita Capitão.

A viagem da vida

Na viagem da vida
faço a minha parte.
Continuo a trabalhar
e a fazer a minha arte.

Na arte de escrever
viajo eu lentamente
saboreando cada momento com prazer,
salvaguardando assim a minha mente.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

As três Mosqueteiras - Poema de Filomena Castro.



"Pelos campos fora
lá vão as Mosqueteiras.
E nas suas mãos
levam as bandeiras.

A espada à cintura
é só para mostrar,
que com as Mosqueteiras
não se pode brincar.

Cavalos alados têm que montar.
Pelos campos fora vão sempre a cantar.
Cantam ao amor e à felicidade.
E nos corações só têm bondade.

Às mosqueteiras hurra!!!"

Filomena Castro.

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Um poeta nunca se acaba!

Um poeta nunca se acaba.
Apenas seu corpo desaparece.
Pois, as palavras são eternas
e o sentimento não se esquece.

Um poeta nunca se acaba.
Mesmo que chegue a sua hora.
Pois a vida está nas palavras
que ele deita cá para fora.

A força da poesia
atravessa gerações,
e aquilo que eu mais queria
era saber que um dia
recordada serei também.
Na vossa memória,
e nos vossos corações.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

sábado, 21 de setembro de 2013

A minha eterna Lua

A minha eterna lua
com a sua luz brilhante
é como um suave amante
que me envolve ao anoitecer.

A minha eterna lua
toca-me com as suas mãos.
E beija-me loucamente
numa linda noite estrelada.

A minha eterna lua
eleva-me no ar
e faz-me acreditar
que o mundo não acaba aqui.

Há mais para explorar.
Há mais para viver.
Há mais, mais além.
Há mais vontade de conhecer
e de saber que está tudo bem
depois de amanhecer.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Almas de-penadas

Vejo almas de-penadas
dignas de muita pena
Não são fantasmas.
Apenas gente sem sustento.

Sem dinheiro
arrastam as penas
vivem dilemas
sem sequer um tostão.

Haverá esperança?
Certamente que si.
Mas nesta vida, talvez não!

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

O exército das Formigas

No exército das formigas
não há espaço para a desordem,
dão as mãos muito unidas
enquanto esperam nova ordem.

A formiga chefe, menos em forma
não as pode acompanhar
pois delicia-se com um morango
que noutro dia mandou apanhar.

Pobre exército de formigas
tão magrinhas que dá dó.
A chefe come as grainhas
e as outras apenas pó.

-Está na hora da revolta!
Diz a formiga mais pequena.
Em sentido, dá meia-volta
e resolve o problema.

Dito isto, as outras a seguem,
e esta toma a liderança.
Enquanto a chefe se delicia
Esquecendo a balança.

Quando a comida acaba,
assustada chama as outras.
Mas o espaço vazio esmaga.
E o silêncio a vida apaga.

Onde estaria o exército?

As formigas esfomeadas
por tantos anos sem comer
regalaram-se no olival
até a barriga doer.

Quando a chefe viu tal aparato
Nem teve pernas para correr.
Pois uma bela barriga
prendia os pés da formiga.
Quem a mandou tanto comer?

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

A esperança brilha qual diamante!

A esperança não se vê
mas eu sinto-a ali adiante.
Vou procura-la no infinito.
Pois ela brilha qual diamante.

Não me dou por vencida.
Venha pois, o que vier.
Acredito noutra vida
além desta, que me espera.

Sinto-me um tanto perdida
mas vou acha-la se Deus quiser.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Não sou perfeita.

Eu não durmo num pedestal
nem vivo numa redoma.
Sou uma pessoa normal
com situações a melhorar.

Não sou perfeita.
Muito longe disso sou.
Mas sou poeta
sei que tenho esse dom.

Não vivo para agradar.
Pois, não sou ninguém.
Desta vida não vou levar
nem mesmo pai ou mãe.

Assim, para quê me preocupar
com o dia de amanhã?

Vivo sonhos de encantar
enquanto o sonho durar.
Até acordar do encanto
e ter de ir trabalhar.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

Uma manhã na Rodoviária

Acordei cedo, despachei-me e segui viagem. Caminhei literalmente a pé até ao centro da freguesia para resolver a situação do passe. Tinha esperança que chegando lá fosse mais fácil. Mas não, tudo se complica. Explico a situação, procuro nos perdidos e achados, e a resposta é a mais temida. Não encontraram nada. Desanimada vejo as opções que ainda tenho disponíveis. Pedir uma segunda via. Retiro a prova de compra da carteira, mas a senhora do guiché diz-me que não é preciso. Admiro-me. Porque será que não é necessária a prova? Respiro fundo. 

- Qual é o custo da segunda via? - Questiono.
- São 7,50€ e está pronto em 7 dias! - responde-me a senhora. 
Passei-me!  - 7 dias? Mas eu preciso do passe para hoje!
- Então são 12€ e fica pronto em 24 horas.
- Hum... menos mal, mas é caro. - Respondo pensativa. - Bem, então significa que amanhã às 10h da manhã está pronto, correcto?
- Não. Só está pronto às 16h da tarde.
- Porquê? Acabou de me dizer que estava pronto em 24 horas.
- Porque é assim.
- É mesmo assim?
-Sim
-Mas porquê? - Insisto.
- Porque sim, política da empresa. - responde-me a senhora já farta de mim. E acrescenta. - Se quiser pode vir mais cedo mas não garanto que esteja pronto.
- Então como é que eu faço para ir trabalhar?
- Não sei.
- Como não sabe?
- Só se comprar bilhetes pré comprados 14 viagens são 20€.
- 20€ ? E dá para a rodoviária e para o metro?
- Não. Só para a rodoviária.
- Hum... deixe estar. Vou tentar resolver de outra forma. E quanto custa o passe para utilizar até ao fim do mês? Eu utilizo o passe combinado.
- São 49,15€
E dá até dia 19 do mês que vem?
- Não. Só até dia 30 deste mês.
- Mas porquê? Assim fica mais caro.
- É mesmo assim.
- Quer dizer que no  início do próximo mês tenho carregar novo passe com 49,15€?
- Sim!
- Não devia ser assim.
- É política da empresa. Nada posso fazer.

Desisto. Venho embora com a sensação que não foi tudo dito. Informo no trabalho que não consigo ir até ter o passe na mão.Que esta situação me sirva de emenda para não perder o passe outra vez...!

Sou uma alma distraída!

Sou uma alma distraída
e atraída pela lua,
entro em casa
ou vou para a rua
como se tivesse outra vida.

Sou uma alma distraída.
Toda a gente me conhece.
Deixo as chaves aqui,
e acolá o passe fica.

Sou uma alma distraída.
perco tudo ao meu redor.
Só não perco a cabeça
pois, é só um pormenor.

Sou uma alma distraída.
Sonhadora, não há igual.
Acredito noutra vida
que não esta tão normal.

Sou uma alma distraída.
conseguirei ser diferente?
Bem tentei ao longo da vida,
mas não consegui mudar a mente.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Quem me dera apenas escrever...

Quem me dera apenas escrever
e o resto do mundo esquecer.
Contemplar as estrelas e sonhar.
E chamar a lua para comigo dançar.

Quem me dera apenas escrever
e colorir o céu de cores.
E acordar em Abril
para ver dançar as flores.

Quem me dera apenas escrever
e de palavras me vestir.
Descobrir e aprender
mesmo que estivesse a dormir.

Quem me dera apenas escrever
para feliz poder vir a ser.
Pois só a escrita me acalenta.
Só a escrita me alimenta.
Só ela me dá prazer.

Jovita Capitão, Rainha das Insónias.